geografia da paramiloidose

Após a sua primeira descrição, os estudos sobre a PAF multiplicaram-se e paulatinamente foram-se encontrando novos focos geográficos da doença. Em Portugal, para além da região da Póvoa de Varzim e Vila do Conde, onde existe a maior concentração de casos do mundo, encontraram-se focos importantes em Unhais da Serra e na Figueira da Foz, mas há registo de doentes em quase todas as regiões do país.
No resto do mundo foram também identificados vários focos de portadores da mutação V30M, sendo no Japão e na Suécia que se encontram os maiores focos depois de Portugal. A expressão da doença é bastante distinta nos vários focos, sendo a mais severa a portuguesa. Nos outros locais os primeiros sintomas aparecem geralmente mais tarde e, principalmente entre os nórdicos, a doença expressa-se de uma forma mais benigna. A heterogeneidade de apresentação da V30M vê-se até a nível familiar, em famílias que vêem os filhos adoecer antes dos Pais.
A razão porque certas pessoas conseguem resistir melhor do que outras pode guardar uma das chaves para desenvolver terapias muito mais eficientes para a Paramiloidose no futuro.

.

animação: Distribuição da PAF
narração: Prof.ª Alda Sousa